CRÍTICA: Passagem de Vênus (1874), Um marco na história do cinema

Uma série de fotografias que inaugurou a era cinematográfica.

Passagem de Vênus (Passage de Venus)” é um curta-metragem silencioso em preto e branco de 1874, considerado um dos primeiros registros em movimento da história do cinema. Com uma duração de apenas alguns segundos, o filme retrata uma série de fotografias do trânsito do planeta Vênus através do Sol. Essas imagens foram capturadas pelo inventor francês P.J.C. Janssen, que desenvolveu o Revólver Fotográfico, um sistema de câmera inovador que permitia a obtenção de sequências de imagens consecutivas.

A passagem de Vênus sobre a face do sol em 1874 despertou grande interesse entre os cientistas da época, levando a diversas expedições para os melhores pontos de observação ao redor do mundo. Pelo menos 62 partes visitaram 80 locais diferentes, em uma preparação meticulosa para obter registros objetivos e permanentes desse evento astronômico.

Ao assistir ao curta-metragem “Passagem de Vênus (Passage de Venus)”, fica evidente que sua importância histórica supera sua qualidade como obra cinematográfica. A baixa qualidade das imagens, resultante das limitações tecnológicas da época, torna difícil identificar claramente o trânsito de Vênus sobre o sol. A descrição fornecida juntamente com o filme oferece mais informações do que o próprio filme em si, o que limita sua apreciação como uma experiência cinematográfica completa.

Em termos de atuação, direção, roteiro, cinematografia e trilha sonora, é importante mencionar que esse curta-metragem não possui esses elementos tradicionais, uma vez que se trata de uma série de fotografias em sequência. Portanto, não é possível avaliar esses aspectos específicos da produção.

Considerando sua relevância histórica como um dos primeiros registros em movimento e o pioneirismo de Janssen na criação do Revólver Fotográfico, “Passagem de Vênus” merece reconhecimento como um marco importante no desenvolvimento do cinema. No entanto, para os espectadores contemporâneos, sua principal atração está na curiosidade e na valorização do papel fundamental que desempenhou na evolução do meio cinematográfico.

CRÍTICA: Passagem de Vênus (1874), Um marco na história do cinema

Nota Geral - 7

7

Descubra a importância histórica desse curta-metragem pioneiro

Passage de Venus (1874) é um curta-metragem silencioso em preto e branco que marcou o início da era cinematográfica. Com registros fotográficos do trânsito de Vênus pelo Sol, capturados pelo inventor P.J.C. Janssen, esse filme representa um marco importante na evolução do cinema. Embora sua qualidade técnica seja limitada pelas condições da época, sua relevância histórica e o pioneirismo de Janssen na criação do Revólver Fotográfico são indiscutíveis. Descubra mais sobre esse curta-metragem fascinante!

User Rating: 2.75 ( 1 votes)
Sair da versão mobile
Pular para a barra de ferramentas